22 de agosto de 2011

Viva a revolução... do amor!



Quantas vezes nós já vimos pessoas comuns, revolucionários, morrerem por seus ideais, mudanças. Também há aqueles que entregam suas vidas por até terrorismo. E nós, qual tem sido a nossa revolução? O quanto realmente nos importa em viver como cristão?

Cristão... Ser igual a Cristo, ama-lo acima de toda a coisa. Será que realmente temos amado os outros como a nós mesmos? Quando vemos alguém passando fome e ignoramos o estamos amando? Quando vemos nossos amigos desperdiçando a vida em relacionamentos frustrados, bebidas, drogas, os estamos amando? Quando nos armamos com preconceitos e excluímos alguém, estamos amando? Quando ACHO que meus conceitos, ideias, e visões da bíblia são melhores dos meus irmãos, estamos amando? Até quando ser cristão é viver do modo que mais me agrada e me deixa confortável? ATÉ QUANDO?

Por isso te chamo a fazer uma revolução, não armada como a revolução cubana, nem marxista como a russa, muito menos violenta como a francesa, mas banhada a sangue, aquele que foi derramado na cruz quando Jesus mostrou qual deve ser o nosso ideal, inspiração: Vale a pena morrer para que outros possam viver.

Façamos a revolução do amor, esse louco amor que Cristo mostrou. Quando todos esperavam que Ele condenasse veio o perdão. Quando todos pensavam que Ele gritaria, silêncio. Quando poderia se acomodar resolveu não se omitir.

Que essa transformação comece primeiro em nossas vidas, corações, pois um homem pode até morrer, mas ideias são imortais. Princípios não são para serem vendidos, muito menos negociáveis. Nossas vidas foram caras demais para brincarmos de sermos crentes.

Erros eu sei que irei cometer, pecados ainda me perseguem, medos, duvidas, cansaço, tudo isto é do homem, nunca estaremos livres disto, enquanto vivos, mas uma coisa eu peço a Deus, que NUNCA deixe este fogo em meu coração se apagar, a conformidade tomar conta de minha alma.

Está é a hora de chorarmos com os que choram, de acolhermos aqueles que necessitam de ajuda, de carinho, um ombro amigo. É o momento de pararmos de olhar nosso conforto, e pensarmos em como deve ser ruim dormir uma noite na rua, quanto mais uma vida inteira. Eu não sei o que é fome, mas sei que muitas pessoas tem passado, como posso não me angustiar com isto? Famílias são destruídas todos os dias, cada vez mais jovens se envolvem em bebidas atrás de paz, alegria e amor. É agora, e não amanhã, que temos que levar a estes o único que pode trazer a verdadeira paz, a verdadeira alegria, e principalmente, o verdadeiro amor.

Convido-te a juntos, pegarmos as armas (nossas vidas), carrega-las com a melhor munição (o amor de Cristo) e irmos à guerra. “A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos”. Saiba, Deus te ama o mesmo tanto que ama aquele seu amigo gay, aquela prostituta que você tanto tem nojo, o drogado que você tem medo.

O Padrão deste mundo é ser feliz, ter conforto, ser realizado, acima de tudo, e que vale qualquer coisa para ter prazer. “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:2. Mas lembre-se “pois a nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais.” Efésios 6:12. Para terminar permitam-me parafrasear Marx, com uma pequena alteração:

Que as classes dominantes tremam diante da revolução cristã! Os cristãos nada têm a perder senão os seus grilhões. Têm um mundo a ganhar. Cristãos de todos os países, uni-vos!!!! 

Por Carlos Paranhos,

 
  • Facebook
  • RSS
  • Delicious
Igreja Batista em Células em Papucaia | Histórico do site - Email - Arquivos e logotipos - Enviar informações
Conteúdo protegido sob licença Creative Commons BY-NC-ND 3.0 - Desenvolvido pela Ibecep com base em template de Web2feel.com